Agitação e falta de atenção: diagnóstico de TDAH?

Agitação e falta de atenção: diagnóstico de TDAH?

Atualmente é comum escutar nas rodas de conversa, especialmente no meio escolar: “essa criança não fica quieta nem por um minuto sequer, não presta atenção em nada, deve ser hiperativa”.

Muitas vezes, a vida agitada que levamos não permite uma percepção que vá além do sintoma e que compreenda o que realmente está acontecendo com esta criança, adolescente ou adulto.

A agitação e falta de atenção são dois sintomas que podem ser reflexo de vários diagnósticos. Ao perceber estes indicadores, as pessoas tendem a generalizar como Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade por ser um dos principais motivos de encaminhamento de crianças para atendimento a saúde mental.

Este dado nos serve de alerta, especialmente pelo fato de que o Brasil está em segundo lugar no ranking mundial no consumo de metilfenidato*. Esta droga é mais conhecida como Ritalina e, antes de ser utilizada, é indicado que o diagnóstico seja construído por uma equipe multidisciplinar.

Não aceite rótulos prontos e sem a devida investigação. Os medicamentos psiquiátricos são necessários em muitos casos, mas devem ser utilizados com muita cautela, especialmente quando se trata de crianças e adolescentes em pleno desenvolvimento neuropsicológico.

*É de direito aos médicos a prescrição de medicamentos farmacêuticos.


REFERÊNCIAS
CALIMAN, Luciana Vieira. Notas sobre a história oficial do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade TDAH. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 30, n. 1, p. 46-61, 2010 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000100005&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 28 maio 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000100005.
SIGNOR, Rita. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade: uma análise histórica e social. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte , v. 13, n. 4, p. 1145-1166, dez. 2013 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982013000400009&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 28 maio 2016. Epub 01-Nov-2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982013005000022.

Você pode gostar também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *