Gravidez e estresse: por que não combinam

Gravidez e estresse: por que não combinam

Dia 15 de agosto é dia das gestantes.

Há alguns anos, quando ainda nem pensava muito sobre ser mãe, li um artigo da neurocientista Suzana Herculano-Houzel e, por algum motivo, não esqueci dele.

Esta publicação de 2007 tinha o seguinte título: “Deixem as gestantes em paz!”.

Suzana deixa claro o quanto as emoções da mãe têm ligação com às de sua prole. Ela enfatiza que em qualquer pessoa (grávida ou não) o estresse crônico “mata neurônios, perturba o mecanismo cerebral de regulação das respostas ao estresse, provoca distúrbios como ansiedade e depressão, dispara doenças latentes”.

Quando esse estresse é em gestantes, há ainda mais 2 problemas:

  • O estresse da gravidez não fica na gravidez: existe maior probabilidade de uma gestante que passou por situações estressantes e recorrentes durante a gravidez tenha o comportamento materno reduzido no pós-parto e que seja menos carinhosa com seu filho.
  • Interferência no desenvolvimento cerebral do bebê: “A produção de neurônios novos no cérebro dos filhos gerados em períodos de estresse crônico materno é menor do que o normal ao longo de toda a sua vida, o que parece estar associado à vulnerabilidade a uma série de problemas como distúrbios do humor, deficiências cognitivas e até dependência de drogas.”

Houzel indica estudos que apontam também a importância das grávidas e puérperas se sentirem acolhidas e amadas, ela é enfática ao dizer que a saúde de uma sociedade parte da saúde das mães. A neurocientista também enfatiza que para amenizar o impacto dos episódios estressores, a natureza foi sábia ao fazer com que o cérebro das gestantes produzissem níveis maiores de progesterona com um interessante poder antiansiolítico.

Por isso, se você convive com uma grávida, não apenas por ela, mas também por seu bebê, permita que ela usufrua de momentos tranquilos, de aconchego e carinho.

Por uma sociedade com mais saúde mental. Simples assim!

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq0401200706.htm

 

Você pode gostar também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *